Dos mantimentos às bateias mais ricas que há nas Minas, séculos XVIII-XIX

Francisco Eduardo de Andrade

Resumo


O estudo buscou investigar as práticas de alimentação dos moradores do território minerário, a partir dos condicionantes sociais, culturais e econômicos. Observamos que a agricultura de subsistência (roças), já associada aos descobertos de ouro (e de diamantes) nas fronteiras, foi reconfigurada na economia colonial-atlântica de abastecimento das povoações urbanas. Além da crescente produção agropastoril, houve uma significativa diversificação dos gêneros comercializados. Contudo, o quadro básico nutricional dos moradores livres pobres e dos cativos pouco mudou ao longo do século XVIII. Mesmo assim, não foi desprezível, em uma história mobilizada pelo imaginário e pelos desejos, a disposição dos moradores pobres, ou dos trabalhadores africanos e afrodescendentes, para lograr uma variedade do gosto, que se apresentava nos comestíveis, açucarados ou não, das quitandas, das vendas/cozinhas clandestinas e das comemorações festivas.

Palavras-chave


fronteira; economia minerária; mantimento; cozinha; quitanda

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Universidade Estadual Paulista (UNESP) – câmpus de Assis
Faculdade de Ciências e Letras

Centro de Documentação e Apoio à Pesquisa (Cedap)
Av. Dom Antônio, 2100 - Parque Universitário
CEP: 19.806-900 - Assis - SP - Brasil
Telefone: (18) 3302-5835
Website: https://www.assis.unesp.br/#!/pesquisa/cedap
e-mail: patrimonioememoria@gmail.com

 

 

Indexadores


Portal RedibLatindexDiadorimHarvard Library

Periodicos Capes

SHERPA/RoMEOEBSCOPKP logo
SEERDialNetOAJIEZB
erihplus